Um filme que dá que pensar

“We’re not meant to live like this. We’re not mean to live forever. Although I do wonder, Father, if you’ve ever lived a day in your life.” – Sylvia Weis.

Ontem assisti ao filme “In Time” protagonizado por Justin Timberlake. O filme passa-se num futuro em que cada indivíduo deixa de envelhecer após os 25 anos de idade. Para combater o problema da sobrepopulação, a morte passa a depender do tempo de vida que cada um tem. Passando mesmo a servir de moeda de troca. Resultado: os ricos são praticamente imortais, enquanto os pobres trabalham todos os dias para viver mais um.

Ao longo da narrativa foram vários os momentos em que deu para fazer a analogia entre o tempo e o dinheiro. Porque no fundo, eles são bastante parecidos.

Existe em especial uma passagem que me tocou.

“But the day comes when you’ve had enough. Your mind can be spent, even if your body’s not. We want to die. We need to.” – Henry Hamilton

Recordou-me de um artigo que escrevi há uns tempos sobre a urgência de viver em que afirmei que é o facto da vida ser limitada que conseguimos arranjar-lhe propósito. Caso contrário, porquê fazer algo hoje quando temos sempre o amanhã?

Se ainda não viste este filme, recomendo-o. Para além de ter tópicos que te fazem pensar como usas o teu tempo e como vês o teu dinheiro, é um filme com uma boa história e elenco.