Um elogio sincero

Um gesto subvalorizado.
Um gesto que não custa nada.
Um gesto que pode fazer o dia de alguém.

Elogios são a forma de comunicarmos que alguém está a fazer algo bem. São a forma mais simples de reconhecermos o seu esforço e trabalho. E no entanto, são tantas vezes esquecidos.

Não te esqueças de elogiar. Aproveita este artigo para elogiar alguém que mereça.

Ter amigos com quem contar

O sentimento de ter alguém com que partilhar os bons e maus momentos é impagável. Não temos que suportar sozinhos as desgraças da vida, e também não temos de festejar sozinhos o que a vida nos dá de bom.

Toda a gente precisa de pelo menos uma pessoa com quem contar verdadeiramente. Sabendo que se contares boas notícias ela fica genuinamente feliz por ti e se lhe contares más notícias ela vai sempre levantar-te.

Estas são as melhores pessoas.

Matemática intuitiva?

Ao longo do meu percurso académico, a matemática nunca foi grande problema para mim, até que cheguei ao 11º ano e as coisas começaram a complicar. Não que eu não gostasse da disciplina, achava-a era pouco aplicável às situações da vida real, o que dificultava a minha motivação ao estudá-la.

Hoje, no 4º ano da faculdade, estou a trabalhar num projeto de investigação na área do processamento de imagens médicas e no âmbito da inteligência artificial e agora percebo algumas das suas aplicações. Não que antes não percebesse, mas agora ao trabalhar efetivamente nesta área percebo que ela é importante ou mesmo essencial para conseguir alcançar certos objetivos.

Sendo isto claro para mim, e sabendo exatamente os tópicos a aprender e porque aprendê-los, nos últimos dias tenho estado interessado em aprofundar os meus conhecimentos nesta área. Tem sido engraçado rever tudo aquilo que já aprendi.

Isto faz-me pensar que às vezes é necessário um exemplo prático para que faça faísca na nossa cabeça. As pessoas são todas diferentes, e com isso têm diferentes formas de aprender e de se manterem motivadas. Se pensas que algo não é interessante ou que não parece ter aplicabilidade, pesquisa sobre isso. Muito provavelmente há, só ainda não a encontraste.

Uma oportunidade melhor

Hoje, uma pessoa que costumo acompanhar pelo Twitter anunciou que iria deixar de trabalhar num projeto em que trabalhava há uns meses para se dedicar a outro. Após muitas pessoas o apoiarem e dizerem que tinham a certeza que aquele projeto iria dar certo se ele continuasse, ele respondeu algo interessante.

Ele disse que também tinha a certeza que iria dar certo, mas também sabia que isso iria gastar muito da energia e tempo que tinha. Tempo e energia essa que ele também precisava para fazer tudo o que tinha para fazer para além desse projeto. Acabou por dizer que esses fatores eram melhor aproveitados noutras oportunidades que tinha.

É preciso ter coragem para mudar o nosso foco para outro tema, supondo que esse novo é uma melhor oportunidade e trará melhores resultados. Isto porque nunca sabemos realmente o que é melhor ou não. Conseguimos supor baseado naquilo que conhecemos, mas nada é certo.

No final das contas, independentemente da decisão que se tomar, só o futuro dirá o veredito final. O importante é colocar tudo na balança e tomar uma decisão baseado nisso.

Pessoas interessantes

Eu tenho uma ideia que não me sai da cabeça: conhecer pessoas interessantes pela Internet e guardar tudo o que aprendo com elas para sempre.

Nos dias de hoje temos acesso ao trabalho de tantas pessoas pela Internet que se torna até um peso querer conhecê-las todas. E o problema é que cada vez que encontro alguém interessante, fico a conhecer outras cinco por relação a elas.

Penso que seria interessante levar isso adiante a longo prazo. Para que, quem sabe daqui a uns anos, ter uma lista infinita de histórias, dicas, pensamentos e experiências das pessoas que me despertaram a curiosidade ao longo da vida.

Consistência é mais importante

Em 24 horas que o dia tem, todos temos 5 minutos que sejam para realizar aquele hábito que costumamos deixar para traz. Ainda assim, muitos deixam de praticá-lo pois enganam-se dizendo que não têm os 45 minutos “necessários”.

Os hábitos não se interessam com o tempo que passamos neles, interessam-se sim com a frequência com que os praticamos. Se no final da semana colocares no total duas horas na prática desse hábito, vais ter mais resultados se o tempo for dividido igualmente em cada dia, do que se apenas o tiveres feito em dois.

Aquilo que nos molda é o que fazemos todos os dias, e não aquilo que fazemos de vez em quando durante horas. Por muito pouco tempo que por vezes possa parecer, a consistência é mais importante.

Tu não és o centro do universo

Por vezes pensamos que em qualquer lugar está uma pessoa com os olhos postos em nós. A verdade é que isso é mentira, ninguém quer saber. Com exceção das pessoas que se preocupam realmente contigo, as restantes podem sim notar o que fazes mas não passa disso. Elas vêem tão rapidamente quanto esquecem.

As pessoas estão mais preocupadas em viver a sua vida do que a notar algo na tua. As pessoas são egocêntricas, por isso aproveita e preocupa-te naquilo que queres realmente fazer, sem pensar em supostos olhares alheios.

Eu sei que por vezes é mais fácil falar do que fazer. Mas isso pode ser ultrapassado ao voltares no pedaço de conteúdo que te fez acreditar nisto em primeiro lugar. Escrever ajuda, e ler também. Quando escrevo artigos como este, eles têm o objetivo de não só me ajudar a mim, como também de te ajudarem a ti.

Volta aqui sempre que precisares.

Falta de paciência

Hoje deparei-me com um tweet de Jack Butcher que dizia assim: “We make it complicated because we’re impatient.”

Fiquei surpreendido, não vou mentir. Fiquei sem reação e sem saber o que dizer. Isto porquê? Porque é verdade.

A grande maioria das coisas que tomamos como complicadas de obter é porque temos pressa em atingi-las. Se nos focássemos em progredir todos uns dias um bocado, de forma consistente, por muito “complicado” que seja algo, mais tarde ou mais cedo iríamos atingir.

O problema parte em procurar por atalhos. Pois são nesses atalhos onde a dificuldade realmente mora. Como já ouvi dizer: “Se o atalho fosse bom, se chamaria caminho.”

Urgência de viver

No livro “12 Regras para a Vida” de Jordan B. Peterson, há uma parte em que fala da fragilidade da vida e da catástrofe da existência. Hoje ocorreu-me esse trecho do livro e até fui lê-lo novamente.

“Imagine um Ser que é omnisciente, omnipresente e omnipotente. O que falta ao Ser? – A limitação.”

O que seria do Ser Humano se soubesse tudo, se estivesse em todo o lado e se pudesse tudo? Qual seria o seu propósito ao acordar de manhã? Difícil de responder quando já não há mais nada a saber, a conhecer e a conseguir.

É a limitação da vida que a torna especial. É o facto de sabermos que um dia vamos morrer que nos levantamos todos os dias de manhã para darmos o nosso melhor e deixarmos a nossa marca enquanto temos tempo. É o facto de um dia a vida acabar que faz com que tenhamos urgência de viver. Se não, porquê fazer algo hoje quando temos sempre o amanhã?

Pega no teu sofrimento e utiliza-o para o bem

Situações difíceis acontecem na vida qualquer um. Ninguém é diferente neste aspeto e sabes que mais? Ainda bem.

O sofrimento é mais do que o sofrimento em si. É um abre-olhos, é um choque da realidade. É a vida a mostrar-te que esta experiência não é um mar de rosas, e se queres sair por cima dela, tens de lutar.

O facto de conseguires perceber isto já é um bom sinal. Significa que vais pegar nas pedras que a vida te atira e utilizá-las para construir um caminho para uma vida melhor: uma vida com menos sofrimento, uma vida onde tu és mais forte.

Por isso, pega nas adversidades e usa-as para algo de bom. Não deixes que te abrandem, pelo contrário, utiliza-as como motivação.